como plumas

Tag: filme

flor nossa de cada dia.

Hoje, num dia um tanto quanto sem cor (não muito diferente dos demais) estava pensando onde gostaria de estar. Bem, é fácil adivinhar que eu faria de tudo pra não estar aqui, dentro desse escritório (que por sorte tem ar condicionado), sem cores, sem música e só com meu chefe de companhia.

No entanto, hoje encontrei algumas imagens que deixaram o dia um pouco mais ‘florido’ (sim, eu sei que não deveria me contentar com imagens, internet e ir ter a ‘real life’, mas como faço isso, produção?)

Compartilharei entradas, muros, janelas… etc. que ‘usam’ flores (não sei se poderia chamar de ‘cerca viva’) em suas decorações e que deixam um efeito delicioso e agradável.

Essa última imagem me lembrou muito um filme que vi o ano passado, A Good Year (2006) –  com Russell Crowe e Marion Cotillard.

O “clima” criado no filme é muito parecido com as imagens que postei, notem (caso não consigam entender o porque do “parecido”, sugiro que vejam o filme, até porque é lindo e leve e lindo e lindo!)

As duas únicas imagens que encontrei do lugar onde ela trabalha no filme, mas notem a ‘decoração’ ali atrás.

O que eu queria mesmo, era estar entre flores, Marion e Russell. Posso?

um filme – Bande à part (1964)

Ontem estava em Sorocaba e aconteceu uma cena muito parecida com essa, bem, talvez nada parecida, mas aconteceu que precisava correr pra pegar o ônibus e no meio da correria lembrei do filme. Kiko e eu fazendo parte de uma cena do filme de Godard. Ou pelo menos pareceu.

curta, curtinho.

E hoje, como tenho um banho de chuva e frio me esperando as 17:45 h, vamos de curta pra tentar melhorar o ânimo. Esse curta, MARAVILHOSO, descobri alguns anos atrás no ohpera blog. Bottle, feito por Kirsten Lepore, é a história de um floquinho de neve e um montinho de areia que se apaixonam. Assistam:

Quem puder, confira os outros curtas da Kirsten nesse canal. É legal ver o Making of “Bottle”  também!

paredes

Faz algns dias que estava tentando arrumar um tempinho pra vir aqui falar sobre algo que achei interessante. Ainda continuo sem tempo, mas quem é que tem?

Domingo passado assisti o filme Precisamos falar sobre Kevin. Um filme que impressionou, surpreendeu e perturbou MUITO. Um tipo de filme que quando assistimos, pensamos: “super indicaria!”. (só não entendi ainda o porque nem foi ao menos mencionado pela Academia)

No entanto, não é sobre isso que eu estou pensando em falar, mas sim, sobre um detalhe que aparece numa cena muito emblemática. Eva (mãe de Kevin, interpretada por Tilda Swinton), uma escritora-viajante,  decora a parede do quarto da nova casa da família com alguns mapas e artigos adquiridos em viagens (suponho), e notando o interesse do filho se oferece pra ajudá-lo caso queira deixar seu quarto com sua cara, com sua personalidade, assim, o garoto questiona ‘qual personalidade?’.

Os mapas não estão nítidos nas imagens porque com alguns minutos de descuido, o filho resolve “ajudar” a mãe na decoração do quarto (e não encontrei imagens do ‘antes’)

Me interessei pela forma usada por Eva para a decoração. Acho que em alguma outra vida, fui uma espécie de viajante, até porque, se eu pudesse, viveria na estrada com uma mochila nas costas, água e algum dinheiro pra comida. Com isso, procurei algumas imagens que mostrassem essa ‘ideia’ da personagem.

No filme, as paredes são totalmente cobertas, aqui, mostra que também é possível usar como “quadro”

E como no filme, há a possíbilidade de por objetos para enfeitar e completar o ‘cenário’ criado.

Além dos mapas, é interessante perceber as outras paredes que o filme nos apresenta (não apenas as paredes, até porque o filme é permeado de detalhes).  Um exemplo disso, é o próprio quarto do garoto, que de paredes brancas e com poucos móveis, nos deixa buscando detalhes do que poderiamos ter a partir da decoração do quarto. Até porque, seria interessante responder a pergunta “que personalidade?” feita pelo menino.

No decorrer do filme, isso vai se tornando parte do cenário e realmente encanta.

Sei que não é parede mas adorei o efeito das latinhas vermelhas.

E por fim, talvez uma das mais fortes do filme, a decorada pelos vizinhos.

Contudo, o que quis dizer com esse post? Quis dizer, com base no filme, que algo simples como ‘paredes’ podem sim nos representar. Em cada situação, em cada fase da nossa vida. Até porque, estamos em constante construção e aprimoramento do ‘nós’ como pessoas. Além disso, com alguma criatividade, é possível mudar um ambiente com itens que estão ao alcance e que às vezes é ignorado ou esquecido.

Então, fica a dica. Pra vocês e pra mim!

filme de ontem

Ontem assisti um filme que me surpreendeu. Tomboy (2011), filme francês dirigido pela  Céline Sciamma que, de forma envolvente, nos coloca em um universo repleto de descobertas e dúvidas que surgem na pré-adolescencia do personagem.

pra quem estiver interessado recomendo esse filme pro final de semana. Tem uma fotografia linda e atuações dignas.  AQUI você pode encontrar uma boa crítica, mas sugiro que assistam antes de ler. É engraçado o olhar inaugural que esse filme causa.

e quem  quiser baixar é possível encontrar AQUI (em formato RMVB)

%d bloggers like this: