como plumas

Tag: música

Uma música na rádio, hoje.

Nem preciso dizer que hoje o dia foi estranho, né? Porque foi isso que foi. Definitivamente.

Terminei a primeira temporada de The Borgias. Minha sobrinha nasceu. Ou melhor, a filha da minha cunhada nasceu [algumas pessoas entenderão]. Recebi uma declaração bonita e um pedido de casamento não aceitável. Faltei à aula, porque não estou preparada, ainda, para o final do ano letivo de 2015. Estou terrivelmente cansada e fatigada e enjoada de todo o lance que já recebi e ainda terei que receber e já desempenhei e ainda terei que desempenhar, na universidade. Não comi, já que, estranhamente, não estive com fome. Chorei o suficiente para abastecer um litoral artificial. Me perdi em ruas conhecidas. Não olhei nos olhos de quem normalmente olho, pelo simples fato de não saber lidar com a emoção, naquele momento. Fumei cigarros furtados. Fingi orgasmo, mas proporcionei um orgasmo. Corri, como o Forrest, atrás dos meus anos perdidos com um amor perdido. Lamentei. Me arrependi por isso. Fiz planos faraônicos para conseguir dar continuidade na minha vida romana. Pensei em nomes bonitos, para os meus filhos inexistentes e que nunca existirão. Procurei um ginecologista, que quisesse me olhar e me salvar da ardência desses dias, porém não encontrei. Passei frio, nesse dia quente. Meus pés congelaram e permaneceram imóveis, quando eu precisei fugir. Perdi o rebolado, no instante que eu percebi que a minha dança não agradava mais. Fiquei lubrificada, mas perdi o tesão. Percebi, assim, que sexo oral, não faz meu estilo. Percebi também que quero a luxúria dos personagens de Almodóvar, quero a violência dos filmes do Tarantino e toda os problemas psíquicos e dramáticos e existenciais do Lars. Saí do manicômio, da minha vida, para me deparar com o desespero familiar. Ouvi música, no som do carro, enquanto eu roía as minhas unhas roídas. Me encontrei na música, que, apesar de não tê-la ouvido anteriormente, resolveu me entender.

Vespas Mandarinas, Não sei o que fazer comigo.

Sobre a música: (Roberto Musso / versão: Chuck Hipolitho / Thadeu Meneghini) – Originalmente gravada por El Cuarteto De Nos (Ya No Sé Qué Hacer Conmigo) no disco Raro de 2006. Produzida por Rafael Ramos para o disco Animal Nacional – Deck 2013.

língua – caetano veloso

E para ilustrar bem esse assunto, nada melhor que essa música do Caetano Veloso.

minha pátria, minha língua.

Jacques Brel

A canção que escolhi pra postar hoje, foi escrita por Jacques Brel, grande autor de canções, compositor e  cantor. Além disso, teve fortes ligações com o cinema francês também. La canción, foi escrita no decorrer da sua separação com Suzanne Gabriello e então publicada em 1959. Para ele, a música retrata, sobretudo, a covardia do homem e não o amor. No entando, a interpretação dele é tamanha, que o nosso envolvimento no decorrer do vídeo torna-se inevitável.

Jacques Brel,teve uma vida de sucesso, no entanto ele afirmava que tudo isso se dava ao fato  que  seu talento vinha da “vontade” de fazer alguma coisa, e não a habilidade em si.

O video comprova que “Jacques foi um autêntico virtuoso do palco, onde por vezes usa a sua inseparável guitarra. Ele canta e interpreta com o corpo todo  e com toda a sua alma. Ele transborda com as suas histórias e os seus personagens como só pode fazê-lo uma profunda sinceridade, a sua maneira de se entregar ao seu público e a perspicácia do artista.  Brel não só canta, e canta muito bem, como compõe também e com uma mestria admirável, mas, de maneira superior, ele interpreta as suas canções com um talento incomparável.” Sendo assim, Brel consegue conquistar admiradores de forma incondicional. Tanta admiração que maduro como artista recebe um elogio que “vem exactamente da intérprete francesa mais admirada, Edith Piaf, que depois de assistir a um espectáculo, disse: Ele vai até ao extremo das sua forças, porque a canção é o que o faz falar da sua razão de viver, e cada frase acerta-nos em cheio e deixa-nos um pouco grogues.”

Devemos concordar, cara Piaf!

 Pra quem se interessar pela vida e obra desse “espírito nómade”, segue alguns links que selecionei:

last.fm – além das informações (biografia), aqui é possível encontrar imagens, vídeos, álbuns, cantores semelhantes, ouvintes, etc.

brel-autrementdit.voila – biografia com objetivo de apresentar o artista Jacques Brel, trazendo citações, filmografia, discografia, etc.

biografiasyvidas – biografia em espanhol.

vamos de música, achado do dia.

Caetano Veloso e Odair José em 1973.

Gravado ao vivo no Phono. Como não gostar?

%d bloggers like this: